Suicídio na terceira idade: como identificar e prevenir?


O suicídio ainda é um tabu em nossa sociedade: pouco se fala, pouco se discute e pouco se previne. Quando o tema em questão envolve o suicídio na terceira idade, então, a situação é ainda mais alarmante.

Muitos associam esta atitude a jovens ou adolescentes. Porém, o número de idosos que resolvem dar um fim a própria vida vem aumentando a cada ano, e chama a atenção de profissionais da área saúde.

Quer conhecer os motivos, as prevenções e entender como identificar os sintomas que levam ao suicídio na terceira idade? Continue a leitura!

Suicídio na terceira idade: quais são os motivos para esse fenômeno?

Não existe uma regra em relação aos motivos que levam alguém a cometer suicídio. São vários fatores que somam-se por anos até que, em um momento de desespero ou de cansaço, fazem com que o idoso tome esta atitude.

Vamos entender 5 fatores que atuam na mente dos idosos?

Depressão

A depressão é uma doença grave, e que pode surgir em qualquer fase da vida. É preciso ficar atento quanto aos sinais de desânimo, falta de interesse em realizar atividades rotineiras — desde passeios até cuidados de higiene pessoal — e demonstração de tristeza aparente.

Outros sinais de depressão são:

Falta de perspectivas

Muitas vezes, quando uma pessoa ativa e cheia de energia vê-se em casa, sem uma ocupação que lhe dê prazer ou que faça com que ela se sinta importante, sentir-se sem perspectivas é, infelizmente, algo comum.

Sem rumo, o idoso não sabe muito bem o que fazer com o tempo livre e começa a sentir-se um peso para os que estão à sua volta — e para a sociedade, de forma geral.

Solidão

O estado de viuvez e a falta de convívio com filhos, netos e demais parentes transforma a vida do idoso em um enorme vazio.

Na verdade, a falta de afeto, de convívio social e de interação é muito prejudicial à saúde física e mental de qualquer pessoa: o ser humano foi feito para viver em sociedade e, quando falta alguém para dividir o dia a dia, pode faltar, também, a vontade de continuar vivo.

Maus-tratos

Não é incomum vermos casos de maus-tratos contra idosos. E ser violentado física ou mentalmente por parentes ou cuidadores causa traumas, muitas vezes, irreparáveis à mente. Uma forma que muitos idosos encontram de acabar com tal sofrimento, infelizmente, é por meio do suicídio.

Doenças

O acúmulo de doenças ou o descobrimento de alguma enfermidade específica — como câncer, Parkinson ou outro mal degenerativo — é algo que algumas pessoas não aceitam bem.

A perspectiva de viver os últimos anos de vida em cima de uma cama, dependendo integralmente de outra pessoa para realizar atividades simples pode ser frustrante e desesperadora para um idoso.

Como identificar os sinais que levam ao suicídio?

O primeiro sinal de alerta é a mudança de comportamento do idoso: pessoas alegres e ativas que, do dia para noite, passaram a se comportar de maneira mais contida, enigmática ou demonstrar sinais de tristeza, é algo que merece atenção.

Outro sinal comum é a vontade de se despedir dos entes queridos, deixando recomendações “caso algo venha a acontecer” e se desfazendo de objetos pessoais.

Ao perceber qualquer sinal de mudança de hábitos e comportamento, é imprescindível orientar o idoso a procurar um profissional que possa ajudá-lo — como um psiquiatra, um psicólogo ou um terapeuta.

Como devemos preservar nossos idosos para prevenir o suicídio?

Uma maneira de tentar evitar o suicídio na terceira idade é mantendo os idosos ativos, em convívio constante com parentes, amigos e com a sociedade.

Estimulá-los a fazer atividades físicas em grupo, participar de grupos culturais, procurar um hobbie ou investir seu tempo com viagens e atividades de lazer são maneiras de ocupar sua mente e seu dia. Essas pessoas precisam de motivação e afeto.

Este post foi útil para você? Quer receber mais conteúdos como esse em primeira mão? Assine a nossa newsletter!


Compartilhe nossos Artigos!

Victória Régia

Empresa com mais de 28 anos de experiência no segmento nosso intuito é ajudar da melhor forma possível com dicas, noticias e cuidados. Trabalhando assim em prol da saúde tanto do paciente como da família e sociedade.

Victória Régia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *